Contação e Intervenção Cênica


CAIXA DE BRINQUEDO - Uma Vivência Lúdico-Cênica Num ambiente de trabalho, um trio de empacotadores descobre como um monte de caixas pode se transformar em uma divertida bagunça. A diferença nos tamanhos e nas cores das caixas pode transformá-las em um boneco, num carrinho ou até mesmo na caverna de um monstro. Essa brincadeira acaba transformando o espaço em um lugar de infinitas possibilidades de formas e cores. Este trabalho é direcionado a crianças de 0 a 4 anos. Duração de 20 minutos.


 

VIVA MÁQUINA Uma lavadeira acaba de ganhar sua primeira máquina de lavar, mas o presente não é exatamente o que ela esperava. Em meio a mandos e comandos, lavadeira e máquina iniciam uma “deliciosa” disputa. Misturando técnicas de Teatro de Animação e o trabalho de ator, marcas do grupo TEATRO POR UM TRIZ, uma lavadeira e uma máquina de lavar criam uma forma muito particular de se relacionar. Sem texto e com forte acompanhamento musical, este trabalho de 15 minutos brinca com o jogo entre dominado e dominador.



CHUVA DE POESIAS é uma intervenção itinerante na qual três atores caminham com guarda-chuvas cantando e declamando poemas.
Cada guarda-chuva tem poemas de diferente temas e diversos autores.
Ao abordarmos uma pessoa e propomos a ela a escolha de um dos guarda-chuvas. Depois a escolha de um poema que se encontra pendurado no interior do guarda-chuva. Estes papeis são como gotas e formam uma espécie de instalação. A pessoa opta por uma "gota" sem conhecer o seu conteúdo. Desenrolamos o papel e a presenteamos com a declamação do poema sorteado por ela.




MITOS GREGOS - COMO SURGIRAM AS ESTAÇÕES DO ANO 

O Mito de Deméter e Perséfone - A história destas duas deusas e do surgimento das quatro estações do ano.
O Mito de Eco e Narciso - A história da ninfa, que foi transformada em pedra e é condenada a repetir as últimas sílabas das palavras que ouvia. E do jovem Narciso, que recebeu um terrível castigo: ficar pra sempre admirando seu reflexo nas águas de um rio.

Os mitos de Deméter, Perséfone, Eco e Narciso são narrados por duas atrizes. Elas contam como surgiram as estações do ano, a condenação de uma ninfa e o castigo de um belo jovem.

Para isso utilizam-se de diversos elementos, como: água, tecidos, flores, vasos e acompanhamento musical ao vivo, que contribuem para alimentar as imagens que as histórias suscitam.







MITOS GREGOS - MITOS CÔMICOS E ASSUSTADORES

O Mito de Midas - A história do rei ganancioso que pede ao deus Dionísio o dom de transformar em ouro tudo o que tocar. E de como ele ganha do deus Apolo um par de orelhas de burro por dar opiniões sobre coisas que não conhece.
O Mito do Minotauro - A história do monstro assustador com corpo de homem e cabeça de touro, aprisionado no labirinto construído por Dédalo. E a história da queda de Ícaro, o primeiro homem que voou.
A narração é feita por um ator com recursos de mímica e acompanhamentos sonoros ajudam na ambientação das histórias. 






CAUSOS DE ALEXANDRE foi escrito a partir da obra de Graciliano Ramos: “Alexandre e outros heróis”. A montagem infanto-juvenil utiliza recursos de narração de histórias e do teatro de animação.

A personagem Alexandre conta seus causos, seus atos de bravura e esperteza para duas vizinhas.
Durante as histórias as atrizes que fazem as vizinhas ilustram os personagens dos causos através da manipulação de bonecos. Esses bonecos são silhuetas, com trinta centímetros de altura, cuja iconografia é baseada nas xilogravuras da literatura de cordel.
“Causos de Alexandre” resgata uma obra pouco conhecida de Graciliano Ramos, e funciona como estímulo para a redescoberta desse importante, criativo e premiado autor.
Com duração de trinta minutos, “Causos de Alexandre” possui uma estrutura bastante simples de cenário, é adequado para locais que permitam a proximidade com o público, como bibliotecas, espaços de convivência, praças e pequenos auditórios.




CHUVA DE HSTÓRIAS  é um projeto itinerante do Teatro Por Um Triz onde as histórias são contadas por atores que se aproximam de seu público (um espectador ou um pequeno grupo) e de uma maneira intimista o convidam para tomar uma chuvinha gostosa.
Os atores carregam vários guarda-chuvas que servem como suporte e cenário para uma pequena encenação. O espectador pode escolher qual chuva quer tomar... Ou melhor, qual história quer ouvir.
Nos guarda-chuvas estão fixadas ou penduradas pequenas silhuetas em cada uma das suas faces. Estes bonecos instigam a imaginação dos que passam, sejam adultos ou crianças.
Conforme os atores giram as faces do guarda-chuva, as silhuetas são reveladas ao público à medida que a história vai transcorrendo.
Cada história tem duração média de 2 a 3 minutos. Assim que ela termina, o guarda-chuva é fechado e os contadores caminham e procuram novos ouvintes para uma nova história.
Este é um trabalho para ser executado nos mais diferentes lugares. Não requer recursos de iluminação, nem áudio. São três atores que circulam pelo espaço “abrindo seus Guarda-Chuvas de Histórias” para quem quiser ouvir e criando uma atmosfera de intimidade, delicadeza e alegria.
E como o público estará bem próximo do ator, com certeza sairá respingado de gotinhas de ilusão, gotinhas de poesia, de humor ou gotinhas que podem fazê-lo pensar.
Este trabalho contempla diversos contos da literatura e tradição oral.